Fraude nos registros corporativos: um dilema ético

Éticas Consultoria

Empresa de Consultoria Comportamental em Ética e Desenvolvimento em Recursos Humanos

Por Samuel Sabino

Suponhamos que você é novo na empresa. Talvez tenha acabado de subir de cargo e ganhou novas responsabilidades administrativas. O caso é que se deparou com um dilema ético: fraudes em registros corporativos. Eles podem vir de diversas maneiras e até podem compor erros não intencionais, mas geralmente são financeiros e propositais. Você está de frente para a questão: agir de acordo com a lei e denunciar a situação e com isso potencialmente perder seu emprego e até levar a empresa a fechar; ou entrar no esquema e ficar calado, alimentando mais e mais a fraude.

Não é uma questão fácil. O fato é que a lei pode ser a resposta politicamente correta, mas talvez o peso do desemprego de centenas de pessoas e suas famílias pese mais em sua ponderação do que a própria lei. Talvez a quebra da expectativa do seu próprio sonho de crescer como profissional seja outro fator. O caso é que o dilema não é legal, embora a situação seja um problema da lei. O dilema é moral e é seu, como funcionário – independente da visão profissional ou pessoal que venhamos a ter sobre isso.

Nesse contexto é importante trazer de volta a reflexão ética para o meio corporativo. E foi justamente para isso que a Éticas Consultoria nasceu. Além disso, ela se propõe a dar mais um passo em busca da interiorização da ética, buscando o aprendizado lúdico capaz de esclarecer a postura empresarial. Ela existe justamente para apoiar esse momento que você leitor vive – como pensar a melhor escolha.

Por ser um dos casos mais complexos, é justamente por ele que começo meu curso: a fraude. A fraude é algo interiorizado na sociedade brasileira através do famoso “jeitinho”. Ela nada mais é do que alterar os registros de dados da empresa a fim de ganhar algo com isso. O fraudador sabe bem o porquê de estar fazendo isso e sua prática criminosa é pensada; proposital. Mas e aquele que se depara com a fraude? E aquele que é obrigado a propagá-la? Ou cometê-la?

Talvez seja possível despertar a reflexão mesmo naquele que iniciou o problema, mas para isso é preciso mudar algo muito complexo: a maneira de ver o mundo dessa pessoa. Sendo assim, é mais simples começar por aqueles que estão dispostos a se confrontar com esse dilema, embora o texto não seja exclusivamente para eles. É difícil combater o “jeitinho brasileiro”. É algo enraizado culturalmente na nação. Porém, não é uma questão de natureza do povo brasileiro, e sim apenas uma questão da atual condição de não esclarecidos.

Não somos desonestos por natureza, embora em alguns casos falte a clareza da reflexão e da interiorização desse dilema às pessoas envolvidas. Quando a fraude parte dos proprietários da empresa é um caso mais complicado. Mas quando ela parte de um funcionário é até mais simples se livrar do problema, pois há um culpado e isso não faz parte do core da companhia.

Entretanto, vamos tratar o problema de forma mais íntima, com maior profundidade. A atitude daquele que modifica os dados da empresa e até mesmo coage o outro a acompanhá-lo – muitas vezes pela força do poder hierárquico – é baseada puramente da ideia do lucro mais fácil e rápido, onde o benefício próprio é muito maior e imediato. A isso, mesmo que haja uma condenação da empresa no futuro ou o prejuízo para o próximo, no caso seu subordinado.

O pensamento imediatista impede essa pessoa de ver que a perpetuação da empresa é mais lucrativa e importante do que aquele momento de “oportunidade”. Outro fator a se considerar está no fato de que nem todo aquele que frauda pretende roubar a empresa. Às vezes aspira apenas o crescimento da corporação. Seu objetivo final é driblar dificuldades legais e éticas para alcançar o sucesso da organização. Isso por que: ou ele não quer esperar o momento correto do crescimento e deseja acelerar; ou vê uma impossibilidade e quer tirá-la do caminho através de trapaça. Alguns podem até achar que agir dessa forma beneficiará a empresa e seus colaboradores no futuro, mas isso não é verdade, é um equivoco de julgamento corporativo.

Acima de qualquer atitude se deve considerar a lei e a ética. Para os fraudadores o que importa é somente o resultado. Não considerando as formas de se conquistar o objetivo maior da empresa. O ponto é que, nossa sociedade que se encontra em transição, conectada e alinhada com ideais éticos, nos inclina cada vez mais a fazer o que é certo, pois nota-se que a longo prazo os prejuízos serão maiores do que os lucros.

Pensar a médio e a longo prazo é o que figura, primariamente, essa reflexão ética. Vale a pena ver a empresa investigada no futuro? Condenada a fechar as portas? Pagar multas milionárias? Sacrificar empregos? Ir preso? Até gigantes do mercado como os representantes da família Batista – do Grupo JBS – e políticos de renome, como o ex-presidente Lula, são alvos de investigação hoje em dia.

A sociedade cada vez mais está se tornando intolerante com aqueles que a prejudicam. Com o tempo mais se tem dado importância para a postura ética – as boas práticas e condutas. A exatidão dos dados, a segurança da não-fraude, tornam a empresa uma representante de um dos maiores valores do mercado: a confiança. Todo o mercado financeiro é baseado na confiança. É em cima dela que se construiu uma sociedade de informação conectada.

Se a confiança se justifica com a não mentira como a protagonista diante de fraudes nos registros corporativos, podemos considerar como coadjuvantes e aliados, princípios secundários a essa confiança. Por exemplo: a prudência. Ela ditará que a garantia do futuro valerá mais do que o benefício presente. Outro importante coadjuvante é a autenticidade, que por sua vez está fortemente ligado ao que é ser uma empresa confiável no mercado. Por último considere também a vulnerabilidade. Deixar sua empresa vulnerável é basicamente condená-la a morte, pois o mercado está sempre em movimento. No fim, tudo que está errado acaba tendo consequências.

As últimas crises e bolhas que geraram problemas globais na economia ocorreram por causa de vulnerabilidades criadas por posturas antiéticas. Então, estando de frente para uma situação como essa, mesmo que o melhor a se fazer seja o óbvio no quesito legal, no momento em que se questionar se isso é realmente o melhor, busque sempre a reflexão ética. Com ela você encontrará todos os porquês, todos os detalhes, permitindo ir além.

“O que fazer quando deparado com essa situação?” é uma pergunta importante, mas acima dela é preciso interiorizar a reflexão ética do “Por que não fraudar?”, ou mesmo “O que me convidaria a não mentir?”. Somente entendendo a fundo as razões racionais e lógicas da ética na sociedade é que se tornará possível mudar as posturas inadequadas. Fazer apenas porque é a lei não basta mais para a sociedade. Se deve fazer por convicção, compreensão, em uma palavra, por sensibilização ética. Potencializando assim a dinâmica do mundo. Esse é o começo da reflexão que proponho em meu curso. É apenas a ponta do iceberg, mas um começo para trilhar o caminho da humanidade e um país mais justo.

Forte abraço

Samuel Sabino

Filósofo e Bioeticista

Éticas Consultoria

www.eticas.com.br

Publicado por: www.informamidia.com.br/ – Empresa de Assessoria de Imprensa

Canal no You Tube: Éticas Consultoria

https://www.youtube.com/channel/UCzjnlMh7LBpUVkhieRDrOHw

Delito moral: a raiz da corrupção empresarial no “jeitinho brasileiro”

Éticas Consultoria

Empresa de Consultoria Comportamental em Ética e Desenvolvimento em Recursos Humanos

 

Por Samuel Sabino

Nas redes sociais, na mídia e em todos os meios onde há voz, estão povoados de questionamentos, argumentações e até conflitos ligados ao que nós englobamos a esfera da corrupção. Haja vista os recentes escândalos envolvendo alimentos e operações da polícia federal.

O fato é que somos uma sociedade cada vez mais questionadora; inclinando nossa evolução rumo a um reflexo extremamente positivo. Um dos elementos centrais se dá pelo acesso à informação – que está cada vez mais fácil; e a postura de colocar pautas em discussão dentro do que é cotidiano como as redes sociais.

Estamos começando a aprimorar um processo de conscientização moral. Aos poucos afastamos nossos pensamentos de atitudes reprováveis que beiram a barbárie, porém ainda há um longo caminho a se percorrer. Isso porque muitas dessas posturas ainda estão ligadas às pessoas na forma de cultura. O famoso “jeitinho brasileiro” é algo cultural. O “malandro”, que aplica a antiga “lei de Gerson”, que busca levar vantagem em tudo, ainda é uma figura quase folclórica brasileira.

Não é a toa que dentro das empresas, de órgãos públicos, a preocupação com o benefício à curto prazo ainda é uma postura que leva à corrupção. O brasileiro é ensinado de pequeno que é errado ser deixado para trás, e que para evitar isso ele deve ser mais esperto e deixar os outros para trás antes. E é ai, nos pequenos delitos – nos “jeitinhos” -, que coisas que parecem pequenas e sem importância ganham o caráter das primeiras corrupções.

A raiz da corrupção não está ligada a qualquer golpe grande. A escala de um ato corrupto não pode ser medida apenas pelos milhões desviados, pelas milhões de pessoas afetadas. O ato mais simples tem repercussão e importância e planta raízes no que nem sempre é crime pela lei, mas muitas vezes é crime moral.

Um exemplo simples é o da procrastinação. Procrastinar não é algo que fere financeiramente ninguém na empresa, certo? Você conhece o tempo do seu trabalho; sabe que vai dar tempo para fazer tudo, então pode perder mais alguns minutos vendo um vídeo na internet, correto? Bom, na verdade se a sua empresa permite isso, então está mesmo certo.

Se a empresa reconhece que o bem estar do funcionário está ligado a essa liberdade de gerenciar o tempo; e que acredita que ele dará conta do trabalho e o fará melhor por poder relaxar, então isso não é uma postura errada. Agora, se a empresa não aprova isso; se ela até bloqueia a internet – mas o funcionário da um “jeitinho” através de qualquer ferramenta -, então não importa se o funcionário entrega tudo em dia – temos aqui um conflito de valor estabelecido.

A política da empresa proíbe aquilo; e mesmo que o funcionário terminasse todo o trabalho na metade do dia útil e ficasse “sem nada para fazer” mais 4 horas, não acessar o vídeo seria o correto. Ao driblar o sistema, o funcionário rouba da empresa. Rouba dela o tempo que ele vende como funcionário. Rouba dela recursos como banda de internet, energia elétrica. São valores ínfimos às vezes, mas ainda assim é um delito.

Talvez o chefe veja – saiba disso; o diretor também, assim como o dono. Talvez eles não se importem, porque também fazem isso. Mas nesse caso o certo seria alterar a política da empresa. De repente até liberar a internet. Mas enquanto a política não é alterada – mudança de valores – aquilo continua sendo um delito moral, mesmo que não seja reconhecível ou cobrado como delito legal – o ideal de uma boa política é aquela que as condutas apropriadas são antes passadas pelo crivo do acordo.

É nessas pequenas “tiradas de proveito” que nascem posturas de pensamento não refletido sobre o que é ético. É ai que começa a corrupção. Talvez precisemos rever metodologias de trabalho? Sim, é bem provável. Porém, enquanto isso não ocorre deve-se evitar o pequeno delito moral.

Tudo que começa a desrespeitar a postura ética, cresce como cultura para desrespeitar a postura legal. É assim que começa; e o fim está no mal-estar gerado a milhares de brasileiros que tem sua dignidade ferida através de “carnes podres”, fundos desviados e todas as outras grandes corrupções que mancham as páginas dos jornais.

Para mudar isso é preciso buscar uma compreensão profunda da ética. O meio empresarial é onde ela mais terá reflexo nos outros, mas ela sempre partirá de dentro da reflexão interna de cada pessoa. Empresas são grupos de pessoas em primeiro lugar e a moral está ligada ao modo de uma pessoa tratar a outra considerando o respeito ou responsabilidade acima de tudo.

Forte abraço

Samuel Sabino

Filósofo e Bioeticista

Éticas Consultoria

www.eticas.com.br

 

Publicado por: www.informamidia.com.br/ – Empresa de Assessoria de Imprensa

Canal no You Tube: Éticas Consultoria

https://www.youtube.com/channel/UCzjnlMh7LBpUVkhieRDrOHw

“Carne Fraca”: quando a falta de Ética agride a integridade humana

Éticas Consultoria

Empresa de Consultoria Comportamental em Ética e Desenvolvimento em Recursos Humanos

Por Samuel Sabino

 

O ser humano é uma criatura dotada de dignidade. Uma vez que ele se torna consciente dela, faz de tudo para que esta se mantenha intacta. É por isso que na última sexta-feira (17/03) houve uma comoção tão grande de desconforto e revolta envolvendo a megaoperação da Polícia Federal, a nomeada como Carne Fraca. 

O trabalho da polícia revelou e desmontou um esquema envolvendo propina e funcionários do Ministério da Agricultura, que teriam liberado carnes para venda sem passar pela devida fiscalização. O esquema também envolveria funcionários de alguns frigoríficos, que possuiriam irregularidades ligadas ao uso de produtos químicos para mascarar carnes vencidas e de água para aumentar o peso dos produtos comercializados. 

A possibilidade de que produtos adulterados – e acima de tudo impróprios para consumo – terem ido parar na mesa da população deixou o país em revolta e alerta, mesmo que ainda não haja explicações detalhadas de todo o ocorrido. Ainda não houve pronunciamento oficial envolvendo marcas que devem ser evitadas, porém, vários países pararam as exportações temporariamente, indicando o mesmo medo dos brasileiros, o de ter sua dignidade ferida através do consumo de um alimento que pode ser prejudicial à saúde. 

Independente das investigações – dadas às irregularidades como: possíveis fraudes, propinas e corrupção – denunciadas pela operação, o que precisamos colocar em debate é a falta de Ética praticada pelas empresas denunciadas. Quando há irresponsabilidade Ética nas corporações, nasce uma conduta institucional irregular cujo resultado é a perda da confiança, credibilidade, respeito, ou até mesmo comprometendo a saúde e dignidade do cliente. 

O modelo mental deste tipo de corporativo envolvido está ligado ao que chamamos na filosofia de Maquiavélico Negativo. Nesse modelo o fim último, ou seja, o propósito da organização é o lucro e somente o lucro – e não o bem estar de seus clientes. Isso era algo aparentemente aceitável no século XX, mas vem mudando junto com diversas posturas e novos paradigmas do século XXI. 

Nem sempre a ferida na dignidade é notada, porém, quando a mídia esclarece a população através da divulgação dos fatos, é possível notar que não apenas leis foram quebradas, mas acima delas, a conduta moral foi ignorada. Mesmo que haja grande competitividade no meio corporativo, o ideal para as empresas seriam um pensamento a médio e a longo prazo envolvendo as melhores práticas, isto é, a Ética. 

Não é o bastante que a lei seja atendida. O problema é moral; e não apenas legal. Um exemplo disso é a escravidão. Na época em que ela foi vigente, era legalizada. Entretanto, a moral continuava a ser quebrada – considerando-se o homem sempre como fim último, pois é detentor de dignidade. A lei só se modificou depois que o princípio moral atingiu um nível de esclarecimento dentro da população de o quanto tais condutas eram antiéticas. 

Todos os envolvidos na “Carne Fraca” sabiam do ocorrido e tinham consciência de que quebravam a lei – entendimento -; no entanto, isso prova que apenas saber das leis não será impecílio para que a barbárie predomine o comportamento humano. É preciso que haja investimento profissional no nível de esclarecimento das questões Éticas para a humanidade – é o que chamamos de Inner Compliance. 

Somente através da luz da Ética sobre as práticas corporativas é que será possível evitar situações como essa. A esfera da moral – que é anterior à lei – é a que verdadeiramente precisa ser mudada. Apenas com a real interiorização de valores éticos positivos que alcançaremos mudanças em nossa cultura corporativa. O verdadeiro problema não está no sintoma, a “Carne Podre”, está na moral distorcida de quem atua no dia a dia das empresas que se deixam corromper em busca de benefícios a curto prazo.

Forte abraço

Samuel Sabino

Filósofo e Bioeticista

Éticas Consultoria

www.eticas.com.br

Publicado por: www.informamidia.com.br/ – Empresa de Assessoria de Imprensa

Canal no You Tube: Éticas Consultoria

https://www.youtube.com/channel/UCzjnlMh7LBpUVkhieRDrOHw

Professor e Filósofo Samuel Sabino é fonte sobre ética empresarial

Acadêmico propõe reflexão sobre ética dentro do meio corporativo através de seu curso sobre Inner Compliance

Éticas Consultoria

Empresa de Consultoria Comportamental em Ética e Desenvolvimento em Recursos Humanos

Por muitos anos reflexões sobre a ética se restringiram ao meio acadêmico. Dentro das organizações empresariais ela se limitava a um olhar superficial e cansativo, que na maior parte das vezes tornava tudo muito mais difícil de interiorizar através de uma real reflexão. Justamente por entender essa lacuna de compreensão muitas empresas caem em problemas que vão da organização interna, passam pela corrupção e acabam no mal atendimento a seus clientes. Identificando esse cenário, o professor e filósofo Samuel Sabino desenvolveu um curso de Inner Compliance com a proposta de trazer uma interiorização de conceitos éticos de forma lúdica e prática.

Sabino é graduado em filosofia, mestre em bioética e doutorando. Pela Anhembi Morumbi encontra-se cursando um MBA em gestão de Negócios. Atua como professor na escola de negócios da própria Anhembi. E agora abre a Éticas Consultoria para poder ofertar seu curso com intuito de trazer uma compreensão da ética ao mundo empresarial que realmente seja um divisor de águas. “Nossa proposta é levar às empresas uma solução que as ajude antes mesmo de problemas maiores existirem; práticas como a corrupção empresarial podem ser refletidas e evitadas quando se compreende verdadeiramente o papel da ética no meio corporativo”, ele relata.

Atuando no meio acadêmico o professor percebeu que havia uma lacuna de entendimento sobre a ética dentro das empresas, que fazia com que a prática fosse afetada, não por desconhecimento ou mesmo por falta de vontade, mas principalmente por uma não absorção da ética através de um nível superior de esclarecimento. “Não basta a consideração sobre o que é a lei. As posturas só mudam realmente quando há uma compreensão profunda da ética”. Foi baseado nessa proposta de valor, que ele fundou a Éticas.

A posposta do curso é simples, proporcionar uma melhora de relacionamento interno e externo nas empresas – interdependência -, que as possibilite oferecer um serviço melhor. O curso de quatro horas apresenta conceitos e propostas de discussão e reflexão através de sete estudos de caso que auxiliam a empresa observar cenários que realmente possam ser assimilado à sua conduta diária. “Hoje vivemos uma época em que as relações empresariais e cotidianas estão cada vez mais ligadas ao que é correto – as boas práticas”, conta Sabino, “O século XXI manifesta cada vez mais um estado de intolerância aos intolerantes”.

A conduta apropriada vem sendo observada e determinando o sucesso ou a queda de diversos profissionais, haja visto casos como a recente perda de patrocínio do canal Pewdiepie pela Disney. Os questionamentos não estão mais apenas nas qualidades das produções, pois produtos e serviços são quase garantidamente eficientes; o que determina a boa qualidade num todo é o fechamento com as relações humanas. “A ideia no trabalho com Inner Compliance é justamente trazer a ligação racional que as pessoas têm com a lei para uma esfera de conduta anterior, a da moral, algo que através de esclarecimento é possível”, explica Sabino.

O mercado empresarial agrega assim valor a toda a sua estrutura de recursos humanos. Sabino ainda apresenta um workshop gratuito de cerca de uma hora, fazendo uma introdução aos conceitos que serão trabalhados para que os empresários entendam a proposta do curso. Esse workshop pode ser solicitado a ele através de seu site. “O workshop ajuda a mostrar como a ética  que muitas vezes fica fechada ao meio acadêmico -, no seu âmbito mais útil  o da discussão e esclarecimento  não vem para a prática do mundo empresarial. Precisamos compreender que esse conhecimento é necessário nas empresas, podendo inclusive auxiliá-las no combate a práticas de corrupção”.

Forte abraço

Samuel Sabino

Filósofo e Bioeticista

Éticas Consultoria

www.eticas.com.br

Publicado por: www.informamidia.com.br/ – Empresa de Assessoria de Imprensa

Canal no You Tube: Éticas Consultoria

https://www.youtube.com/channel/UCzjnlMh7LBpUVkhieRDrOHw

Entrevista NOSSO PROGRAMA-RIT – Ética na Sociedade

Éticas Consultoria

Empresa de Consultoria Comportamental em Ética e Desenvolvimento em Recursos Humanos

Na ocasião tivemos a oportunidade de um breve bate-papo sobre a Ética na Sociedade. Falamos também das Virtudes e Vícios na formação dos filhos. Como a política necessita de pessoas não apenas com entendimento sobre o que fazer, mas a importância de sempre convidar o discurso da Ética para o “Esclarecimento”. A liberdade também foi um dos conceitos centrais do diálogo da Ética. Sem escolha não há por sua vez a possibilidade de sujeitos Éticos, por isso, ao entendermos esta condição de nossa existência, o que nos sobra no fim é um maior nível de compreensão sobre nossas responsabilidades.

Forte abraço

Samuel Sabino

Filósofo e Bioeticista

Éticas Consultoria

www.eticas.com.br

 

 

Publicado por: www.informamidia.com.br/ – Empresa de Assessoria de Imprensa

Canal no You Tube: Éticas Consultoria

https://www.youtube.com/channel/UCzjnlMh7LBpUVkhieRDrOHw